sábado, 13 de fevereiro de 2016

Sobre magreza extrema e "magrofobia"

Magérrima? Palitinho? Será?
Não precisa dizer nada né? Deu para perceber somente com esta foto que eu não chego nem mesmo aos 55kg em 1,70m. Só que eu estava/estou passando por uma fase emocional bem complexa, o que me causou uma alopecia (queda de cabelo) e perda de peso, resumindo... Estou ainda mais magra que o "normal", pois pesava 56kg no começo de 2015 e atualmente peso 49kg. Isso se deve a fatores genéticos (tenho tendência a ser magra, bem magra) e ansiedade que, ao invés de me fazer comer, me faz ter nojo de comida...

Mas aonde eu quero chegar com tudo isso? Na verdade eu quero chegar a um conceito que ultimamente tenho visto pela internet chamado "magrofobia". Em que pessoas magras que ficam ofendidas ofendidas com termos pejorativos ao seu biotipo e se sentem inferiorizadas. Mas, cá entre nós gente? Vocês acham mesmo que existe magrofobia? Eu, como magrela, posso dizer que sim, já fui alvo de piadinhas na escola, mas se liga nesta humilde parábola que eu vou contar para vocês: no meu ensino médio, um garoto na escola me disse que, para eu arranjar alguém, eu deveria "engordar" um pouquinho mais, pois eu sou muito magra... Na época eu não entendia o que era isso, mal sabia o que era feminismo também, então como ele era gordo eu mandei ele malhar um pouquinho, porque as garotas não iriam querer ele gordo e fedorento como ele era. Daí foi o turn down for what do dia e, mesmo eu sendo ridicularizada pelo meu corpo, quem ficou ridicularizado no final foi ele com a minha resposta. E sim! Porque ele era gordo!

Percebam que eu saí "vitoriosa" neste momento, porque apesar de tudo, meu corpo, mesmo sendo magro, é mais próximo do padrão de beleza estabelecido do que um corpo gordo, então ao mandar ele malhar um pouquinho, eu além de ter dito que "errado é ser gordo", associei a palavra "gordo" a um esteriótipo de inferioridade, chamando-o "fedorento". É, ninguém me chamou de magra fedorenta, muito menos que eu como feito uma porca, não me diminuíram ao nível de um animal irracional por conta do meu peso e pela forma que eu como. Para vocês terem uma ideia, antes desta minha fase quase que anoréxica eu comia feito uma louca mesmo, tipo barras e barras de chocolate, salgadinhos e diversos lanches, comia três pedaços de pizza por semana e nunca fui associada a uma porca por conta da minha gula. Vejam por outro lado, se eu fosse gorda, todo mundo iria falar: "também né, tá gorda por causa disso" ou pior: "come feito uma porca, baleia gorda!" e outras expressões ridículas que nem vale a pena colocar por aqui.

Gisele Bündchen 
Mas aí tem gente que fala: ah, mas me chamam de pernas de sabiá, passarinho, palito e la la lá. Tá, isso é uma verdade, mas vamos direto ao ponto. Aqui no Brasil, há um padrão de beleza que inverte um pouco o padrão estabelecido na Europa por exemplo. Na Europa, quanto mais próxima do padrão Gisele Bündchen você for, mais valorizada é a sua aparência. E me digam, o que é o corpo de Gisele Bündchen? Magreza em um corpo altíssimo, pele clara e olhos claros, além de seus cabelos serem socialmente aceitos por serem ondulados e claros (não sei se ela tinge, mas foda-se). Enfim, o que eu quero que vocês entendam é: magreza é muito mais associada a "virtude" do que a um "defeito".

Eu já ouvi muita piadinha sobre o meu peso, mas na mesma proporção dos xingamentos já ouvi também muita gente falar: "nossa, mas você magra assim e com essa altura deveria ser modelo" ou "você tem pernas de boneca" ou "você tá bem magra, mas é só ganhar um pouquinho de massa muscular e seu corpo ficará perfeito". Uma listá imensa de frases que não caberia aqui neste post. Para vocês verem, se eu fosse gorda, ninguém falaria: "nossa, dá pra ser modelo com esse corpo" ou "você tem pernas de boneca", muito pelo contrário, iriam dizer que ou eu sou preguiçosa: "deveria malhar para ver se perde esse peso" ou eu sou glutona e sofro de ansiedade, além disso iriam assimilar o meu biotipo ao corpo de um animal e pior, associariam o meu peso a minha situação amorosa ou capacidade de amar, além da libido, como se pessoas gordas não pudessem transar, ou namorar ou casar e terem filhos.

Eu
Percebam também que o padrão de beleza europeu é seguido pelo resto do mundo, salvo raras exceções, portanto um magro está muito mais próximo do socialmente aceito do que um gordo. Engulam isso. Simples gente, magrofobia não existe, o que existe é um machismo maldito imposto em cima das mulheres, para que elas adequem se ao padrão de beleza que os machões acreditam que deva ser o certo. É como debater racismo inverso e heterofobia, é como debater white power, não faz sentido, velho, puta que pariu!

Rezemos para um mundo menos irracional e com menos playboys vitimistas, certo? E magros, amem-se mais, porque vocês mal percebem que estão na condição de opressores, é tipo os brancos que se fazem de vítima quando passam o ano zoando na escola, daí vão mal no vestibular, não acertam porra nenhuma e põem a culpa na reprovação deles em quem? Na reserva de 5 vagas para negros em um curso. Desculpe-me mas vão se foder! Eu não recebi nenhuma cota (pois fui bolsista em escola particular) mas mesmo assim sou 100% a favor de que existam mais alunos oriundos de escola pública (brancos e negros) nas universidades. Sou a favor das cotas sim, e minha opinião só mudará quando a educação pública for igual ou superior a particular. Fim de papo!

Ah! Lembre-se, magro que você não precisa passar o perrengue de procurar roupas com tamanhos maiores, não tem a obrigação de mandar encomendar peças íntimas ou outras roupas, minha mãe estava hoje falando sobre isso e acabei de lembrar. Bem, passaria o dia listando as vantagens de ser magro na nossa sociedade. Então bora combater a gordofobia! Essa sim existe! E mata!

Beijoões!!!

12 comentários:

  1. "É como debater racismo inverso e heterofobia, é como debater white power, não faz sentido, velho, puta que pariu!" (aplausos eternos)

    Realmente há uma histeria de vitimismo assolando todos os grupos sociais possíveis ahhahaa. Concordo plenamente que o bullying sofrido pelas pessoas magras nem de longe é semelhante ao passado por quem está acima do peso. De apelidos, piadinhas, comparações e humilhações a olhares tortos na rua, no busão ou no metrô (principalmente em praias, clubes e lojas de shopping), NEM SE COMPARA o que a gordofobia faz com a cabeça de quem sofre preconceito.

    Já falei que amo teu blog, Madaha? Umas mil vezes, né? Haha. Continue pf com todos esses temas, todas as vezes que entro aqui vejo assuntos de meu interesse e sempre saio satisfeita com teu ponto de vista a respeito das atualidades.

    <3

    ResponderExcluir
  2. Oi Oi

    Eu tenho 34kg e olha, é muito preconceito. Eu não gosto muito do meu peso mas não posso fazer nada porque não consigo engordar e tenho problemas hormonais (ou seja não tenho peito e nem bunda). Ouvir esse tipo de comentário sobre não arranjar ninguém por causa do corpo já faz parte do meu dia a dia.

    Eu nunca me envolvi nessas discussões dobre magrofobia, porque quando falo de preconceito por causa da minha magreza dizem que é puro drama e que isso não é verdade então sempre deixo pra lá mas eu nunca disse em si que existia magrofobia, só relato mesmo o que eu passo.

    Sou muito contra a gordofobia,eu tinha uma prima que ela era gorda(a coisa mais linda da minha vida) e eu ficava com muita muita raiva quando nós passávamos juntas e tinha comentários nojentos sobre o peso dela, dava vontade de ir lá e dá uma bifa na cara da pessoa. Desde então, decidi que lutar contra a gordofobia não era apenas papel de quem sofria com isso.
    O lance é se amar e lutar pelos seus direitos <3

    Ótimo post e muito muito lindo. Espero que você melhore e fique bem. Abraços quentinhos.

    ResponderExcluir
  3. Arrasou! Ótimo texto e concordo com você! Eu sempre fui magrela, meu maior peso acho que foi 55kg, por ai, e perco peso muito fácil. Mas com exercício físico (e o feminismo) eu consigo ter um corpo que me agrada. Apesar de ter tido fases que ser magra me incomodou, eu sei que nunca vou sofrer da mesma proporção que pessoas obesas, que lutam contra a balança diariamente. Já ouvi relatos de mulheres gordas que perderam vagas de emprego em lojas de roupas por causa do peso. É para esses casos que não se deve fechar os olhos, porque é o que você disse gordofobia mata.
    Adoro blog de feministas ♥♥♥

    http://blog-abreaspas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Posso sair distribuindo esse post em forma de folhetos por ai??
    Brincadeiras a parte, seu texto mostra exatamente o que acontece e ninguém quer enxergar!
    Eu passo pelo lado oposto da sua história, estou com alopécia, ansiedade over 9000 e 120kg em 1,80m. E pessoal vira pra mim esperando um vitimismo que eu me recuso a me submeter, vem com palavras de incentivo pra emagrecer e palavras dura quando me dou o luxo de comer um chocolate.
    Seria bem mais fácil se cada um cuidasse só do seu corpo.

    Mas bem, sou leitora nova aqui, vim la do moda de subculturas x3

    Beijão

    ResponderExcluir
  5. Seu post é muito explicativo! E vindo de você, que é magra e já sofreu por isso é de muito valor no que diz sobre sofrimento, preconceito mas também sobre reconhecer-se dentro desse novo contexto de padrão de beleza. Toda mulher sofre com exigências quanto a sua aparência, e não questiono a dor de ninguém, mas há sofrimentos que são mais limitantes e sistemáticos, estruturais etc e etc, né? Nem todo mundo sofre igual, mesmo tendo o machismo como fonte em comum dos problemas.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Anônimo5/5/16

    Bom... Talvez nao exista magrofobia. Mas nao é bom ser magra q nem eu, nao qndo se é um pouco mais alta e tem probleminhas na coluna por conta do crescimento rapido.

    Pra começar peso 39,5 kg e tenho 1,67 de altura. Fazendo as contas meu IMC é de +- 14,5 e isso é magraza extrema. Nao tenho problemas de saude e me alimento bem. Nao sou de comer muito, munca fui. Na vdd sempre fui abaixo do peso desde que eu nasci.

    O ruim é ter 18 anos e ninguem acreditar. O ruim é nao ter corpao e nem cintura fina (a diferença da cintura é minima). O ruim é nao usar sutian pq nao acha nem na parte de "menina moça", o ruim é nao ter uma numeraçao menor que o 34. O ruim é achar uma calça de 200 fucking reais e ainda ter q mandar apertar mesmo estourando um pouco o orçamento da familia. O ruim é vc ser excluida do grupo das meninas pq vc é muito magra. O ruim é vc nao ter amigos pelo mesmo motivo. O ruim é vc passar pela adolescencia toda, ver suas "amigas" (q nao te consideram como amiga) ter varios meninos babando e elogiando e vc nem 1, muito mal falam "ah... vc é legalzinha... passa cola pra nós e tal". O ruim é passar mais de 5 horas andando pra achar uma unica peça de roupa q fica menos larga. O ruim é se sentir inferior por ser diferente. O ruim é nao achar sapato pois o pé e a canela sao finos d+ e o pé "dança" dentro dos sapatos. O ruim é ver todo mundo te julgando só por causa de umas magras q se deram bem, que por sorte nasceram em familia mais rica. Modelo? Nao quero ser mas por ser magra é quase uma obrigaçao. Todos falam "ah.. magra desse jeito so serve pra ser modelo". Nao me vejo representada nem pelas modelos, pois elas ventem no minimo 38 e eu, bem... nao tem numeraçao pra mim. Infantil? 16 é largo, 14 pequeno. So quem é magra meeeeeesmo sabe o sofrimento. Sabe como sao os olhares das pessoas sobre vc. Muitos de pena outros meio assustados. Imagina vc gostar de se vestir diferente?
    Imagina vc ir comprar roupra pra festa de 15 anos da sua unica amiga e ouvir da vendedora "Nossa, ela parece ter uns 10 anos. Se eu fosse assim(sem peitos) cm a sua idade eu imploraria por um silicone ou entraria em depressao". E tak vc anda hrs e hrs e no fim vai pra festa cm um conjunto formado pela unica saia q vc tem q era pra ficar na cintura+uma blusa q ta larga q vc comprou na loja de tudo10reais mas q da pra fingir q é caida no ombro mesmo. Isso logo dpois das outras gurias te excluirem do grupo de amigas. É... magrofobia nao existe. Ainda achk q se eu procurar empregos vao falar "nao contratamos crianças" ou entrar numa casa de shows e ser barrada. Ou pior, me proibirem de fazer algo por parecer uma criança ja q mulher tem peitos.

    Tenho uma amiga só, ela é gorda e desde os 8 anos eu a ajudo a lutar contra o bullying q sofria no colegio. Mal sabia eu q ela ia ficar bem cm a proprio corpo e eu, que tanto passei confiança pra ela conseguir começar a se gostar, ia sentir o mesmo.

    Entao, talvez nao exista magrofobia ou gordofobia. Mas q a sua ultima fala sobre roupas e q magro encontra, nao sei q mundo vc vive. Deves ser magra, mas q veste 36/38. Se fosse so os apelido e as brincadeiras de mal gosto eu tava é feliz. Mas se olhar no espelho e nem gostar mais do q ve ou pegar medo de ir comprar qlr tipo de roupa/roupa intima... nao sei se isso conta como "mimimi"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo11/6/16

      Claro q n é mimimi, ngm tem direito de te menosprezar por causa de seu corpo,principalmente se você aceitá-lo do jeito que é. O corpo é seu e somente seu,todas as decisões que você toma sobre ele são apenas suas. Se n gosta de como ele está agora,mas n quiser mudá-lo,procure se aceitar e amar todos os dias. Se quiser mudá-lo,mude-o. Procure também por pessoas q irão te apoiar independente das suas decisões. Ah,e ache pessoas novas,q irão perceber como você deve ser uma pessoa maravilhosa. Bisous

      Excluir
    2. Assim como o anônimo acima, não creio que isso seja um mimimi, mas você precisa entender que você precisa gostar do seu corpo, porque não tem nada de errado com ele, muito pelo contrário, errada é a nossa sociedade, que impõe que nossos corpos sejam modelados como se nós saíssemos de uma forma de fábrica.

      Outra coisa, vi você citando que se fosse só as ofenças e xingamentos você estaria feliz. Sei bem como é isso. Uma vez eu ouvi na rua de um cara que mal conhecia que eu nunca ia casar porque eu era magra demais. Outra vez eu ouvi do próprio cara que eu gostava que eu precisava "malhar um pouquinho" pra ficar bonita, que eu não era bonita magra e que ele jamais iria querer alguém assim. Já ouvi ofensas na escola, até da minha própria mãe. E DÓI SIM, eu sei muito bem como doi. Mas neste post eu quis dar atenção a gordofobia, por conta de doenças seríssimas como a anorexia e a bulimia, que mata meninas em todo o planeta, tudo porque queriam atingir O NOSSO padrão de corpo, isto é, modelo 34. E eu visto 34 assim como você, sei muito bem o que é passar raiva nessas lojas de departamento para comprar uma simples calça.

      Mas ce tem que entender uma coisa miga, a gente é bonita sim! Assim como quem é gorda, quem é magra é bonita sim! A gente tá nos país errado com as ideias todas contrariadas. Aqui ser bonita é ser cheia de silicone, tudo para entrar num padrão de bunda + peitos. Azar o deles as pessoas não reconhecer nossa beleza que convenhamos, é natural. Eu acho lindo pessoas magérrimas, de verdade, não tô brincando (procure um instagram de uma menina chamado @whiitedoll ela é linda e magérrima).

      E sobre bullying e essas ofensas ridículas, a gente tem que aprender que o azar é deles que não gostam de você, aposto que você é linda mas ainda não se encontrou como deveria e que quando você se encontrar será como uma flor a desabrochar. <3 Pense em você! De verdade, comece a procurar roupas que valorizem o seu corpo, do jeitinho que você é, porque eu penso que são nossas particularidades que fazem de nós pessoas únicas, diferentes e exclusivas. Use a sua magreza como um traço impar seu! Depois que comecei a fazer isso eu mudei a visão que eu tinha do meu corpo, agora eu adoro meu corpo magrinho assim e quero me manter no tamanho 34 forever mesmo. Adoro ser magérrima e minha aparência é cadavérica e eu adoro. E foda-se quem não gosta. u.u

      Beijos!!!!!

      Excluir
  7. Anônimo11/6/16

    Falou tudo! Obrigada! Ah,essa sociedade q fode com nosso psicológico...

    ResponderExcluir
  8. Excelente post!
    Eu até acho que possa haver um preconceito ou outro com alguém que seja muito magro, mas não acho que chegue ao nível de se chamar de magrofobia. É como você disse, o preconceito com um gordo é muito mais forte, muito mais pesado, muito mais destrutivo e, pior, muito mais prejudicial do que com um magro. Ninguém que seja muito magro vai perder uma vaga de emprego por ser magro de mais, mas pessoas gordas vira e mexe perdem uma vaga pelo seu peso/aparência, por exemplo. Apenas mais um exemplo no meio dos seus.
    E, mais uma vez como você disse, o magro de mais tá muito mais próximo do padrão do que o gordo. É muito mais aceitável na sociedade.
    Precisamos sim acabar com todo tipo de preconceito, mas precisamos principalmente parar de querer protagonizar causas que não existem apenas por não querer discutir pautas que não nos atingem, mas que matam milhares todos os dias.
    bjin

    http://monevenzel.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Sinceramente? Legal.
    Mas acho que esse post fez com eu (sendo magra) me odei mais, me sinta culpada por uma coisa a qual não é opcional.
    Parabéns. 👏🏾

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pense que também ser gorda não é opcional para muitas pessoas. Tem gente que nasce com obesidade morbida e não há nada que a faça emagrecer. A gente tem que entender que o nosso corpo padrão 34 não está errado. Erradas são as pessoas que acham que a gente deva se encaixar numa forma tamanho 38, ISSO É ERRADO. Se as pessoas te diminuem por ser magra você tem que correr dessas pessoas, porque elas não te querem ver feliz. Eu quero fazer um post sobre isso ainda e vou escrever justamente sobre isso.

      Excluir